Notícia

Bronzeamento: o perigo em se “pegar” uma cor

Você sabe qual é a diferença entre o bronzeado e uma queimadura de sol? Essa informação pode te ajudar na proteção do câncer de pele

O bronzeamento é uma reação de defesa do organismo contra a agressão provocada pela radiação. O escurecimento da pele é causado pelo aumento ou liberação do pigmento melanina (que é castanho) dentro das células da pele horas após a exposição à radiação ultravioleta. A melanina é produzida e libertada pelas células chamadas melanócitos (quando sofrem uma lesão em seu DNA) e protege o corpo de absorver radiação solar em excesso, o que pode ser prejudicial.

Culturalmente, um bronzeado pode ser considerado atrativo, embora varie conforme a moda. Na Roma antiga, as mulheres clareavam suas peles com cosméticos. Na época de Shakespeare, antes da revolução industrial, e na Europa, durante a maior parte dos séculos XVIII e XIX, uma pele não-bronzeada significava um alto status na sociedade. Ter a pele clara significava que a pessoa tinha riqueza suficiente para contratar outras pessoas para fazer o trabalho manual externo . Na França do século XVIII, membros da corte real enfatizaram este ponto ao passarem pó em seus rostos para que parecessem o mais branco possível.

Como os padrões de trabalho mudaram, durante o século XX, e muitos começaram a ser realizados dentro de galpões,, a pele bronzeada começou a ser vista como uma credencial para membros de classes que podiam adquirir momentos de lazer ao ar livre. Quando a estilista Coco Chanel se bronzeou, acidentalmente, durante uma viagem de férias à Riviera Francesa, nos anos 1920’s, ela impulsionou um desejo de ter a pele bronzeada. Nos anos 1960s, houve uma mudança primitiva do significado do bronzeado para a sociedade e a pele bronzeada frequentemente significava status social, riqueza e saúde.

E o exagero, desde então, tomou conta de nossa sociedade. Prova disso é que o câncer de pele é o câncer com maior incidência no ser humano. Além, é claro, do foto-envelhecimento da pele, cataratas e demais problemas.

A pele é um dos órgãos mais incríveis do corpo humano, mas é difícil pensar nela como um órgão pelo contato direto que temos com ela diariamente. Constituída de células e tecidos muito específicos, seu proposito é ser uma fronteira entre seu corpo e o mundo externo. Para lidar como esse mundo, a pele é equipada com sensores e uma estrutura em camadas para entender o ambiente, como a abrasão e a luz solar. A cor da pele se deve em parte ao pigmento avermelhado contido no sangue dos vasos superficiais. Porém, ela é determinada principalmente pela melanina. Seus números em qualquer região do corpo são cerca de mil até mais de dois mil por milímetro quadrado, e são praticamente iguais entre as raças. As pessoas loiras possuem a mesma quantidade de melanócitos que as morenas. As diferenças de cor se devem unicamente à quantidade de melanina produzida e à natureza dos grânulos de pigmento. Quando a pele se torna bronzeada pela exposição à luz solar, os melanócitos não aumentam em número, somente em atividade. Os melanócitos produzem não somente o bronzeado, eles também são responsáveis pelo câncer chamado melanoma. O melanoma é causado pelo dano nos melanócitos devido à radiação ultravioleta (UV), e é o câncer mais agressivo que se pode desenvolver no ser humano.

A produção de melanina leva um bom tempo – é por isso que a maioria das pessoas não consegue se bronzear em um dia. Você precisa se expor aos raios UV por um período curto de tempo para ativar os melanócitos, que produzem melanina ao longo de algumas horas. Repetindo esse processo por 5 a 7 dias, os pigmentos se acumulam em suas células em um nível que oferece proteção.

Mas se você não tiver paciência e ficar horas a fio ao sol forte, é alvo fácil para a queimadura solar. Qualquer um que tenha tido uma queimadura de sol sabe que ela deixa sua pele vermelha e extremamente dolorida. Em casos severos, a pele forma até bolhas. A pele danificada está respondendo a esse dano. Queimadura de sol é um termo popular empregado para o eritema (vermelhidão da pele) e a dor que normalmente se seguem à exposição imprudente ao sol.

A melhor proteção para a pele é o uso de roupa (camisas, calças, chapéu) adequada. As zonas da pele não cobertas por roupa deverão ser protegidas com um protetor solar contendo filtros de UVA e UVB, que deve ser passado de maneira correta.